‘El negocio de la comida’ se edita en portugués

09/11/2017 at 13:26

Expressão Popular

El libro El negocio de la comida de la periodista Esther Vivas acaba de salir publicado en portugués por la editorial Expressão Popular.

A partir de ahora, la publicación puede adquirirse en las librerías de Brasil.


O objetivo desta obra é revelar e analisar as entranhas do sistema agroalimentar. Para isso, mergulhamos no ventre do agronegócio e dos supermercados, armando-nos de dados e exemplos. Por que os alimentos percorrem milhares de quilômetros do campo ao prato? Por que, em 100 anos, desapareceram 75% da diversidade agrícola? Por que há fome num mundo onde se produz mais comida do que nunca? Por que somos “viciados” em comida-lixo?

Analisamos as causas da fome, os mecanismos que permitem a especulação alimentar, a “febre” pela terra, os vínculos entre pobreza e alimentação, a conexão entre agricultura industrial e mudança climática, a invisibilidade das mulheres camponesas, o impacto dos transgênicos, as conseqüências do que comemos em nossa saúde, os motivos de uma alimentação atrelada ao consumo de carne, entre outros temas. Revelar o que não lhes interessa que vejamos!

Mas este livro não quer ficar apenas na crítica. Quer também levar informação compreensível e valiosa, para tirar conclusões e passar à ação. Uma obra que é um grito a não se resignar nem a hesitar. Uma chamada a nos perguntar e indagar. Um apelo à rebeldia e ao compromisso.

“De fato, não enfrentamos um problema de produção de alimentos, mas, sim, um problema de acesso a eles. Olivier de Schutter (2011), relator especial sobre o direito à alimentação da ONU entre os anos de 2008 e 2014, apontava: ‘A fome é um problema político. É uma questão de justiça social e de políticas de redistribuição’.

O problema alimentar não é apenas se podemos ou não comer, mas como nós comemos, de que qualidade e origem, e como foi preparado. Não se trata apenas de comer, mas, sim, de comer bem. (…) No entanto, a posição de classe determina, em grande medida, o que comer. E a crise econômica só piorou a situação.

(…) Milhões de pessoas sofrem as conseqüências deste modelo de oferta de alimentação fastfood, que acaba com a nossa saúde. (…) Mas quem ganha com isso? A indústria agroalimentar e os supermercados são os principais beneficiários”

Entry filed under: 01 | El negocio de la comida, web.

Lo que nos tragaremos con el CETA “Els Comitès de Defensa de la República han estat el motor i el múscul de la vaga general”


Lo que nos tragaremos con el CETA | El Periódico

O negócio da comida

[3a edición ampliada] El negocio de la comida

Categories

Instagram

Lo que nos tragaremos con el CETA: carne tratada con hormonas, colorantes alimentarios prohibidos hasta el momento y manzanas y salmones transgénicos. La ganadería de carne de vacuno y de porcino, el sector de la leche y las denominaciones de origen también saldrán perdiendo
.
Artículo que saco en @elperiodico_cas. Un 1/3 dels aliments que es produeixen al món per consum humà acaben malbaratant-se en el seu camí del camp al plat. Tot un exemple de com els aliments s'han convertit en un negoci! .
En vam parlar dissabte a les jornades d'AICEC-ADICAE a Barcelona, al costat dels companys de la Plataforma Aprofitem els Aliments.

Twitter

Premio BioCultura 2015

‘El Negocio de la Comida’. Gracias!

Grups i cooperatives de consum agroecològic a Barcelona


%d bloggers like this: